Aprenda a fazer o suco verde das estrelas de Hollywood

Eu já falei aqui da Kimberly Snyder, nutricionista de Hollywood que deve faturar tanto quanto o Tom Cruise em “Missão Impossível”. A Meryl Streep da comida saudável tem até um suco verde com marca registrada. Aham. Isso. Marca registrada. Não, não é um produto industrializado ou vendido prensado a frio. É uma receita específica que você faz em casa e que ganhou um nome e uma marca registrada. Chamado de  Glowing Green Smoothie, ou GGS para os íntimos, o suco detox é uma mistura de verduras e frutas, muito parecido com a maioria dos sucos verdes que vemos por aí. Eu sou fã de sucos verdes. Ok, mentira, eu sou fã de Coca-Cola, de milk-shake de Ovomaltine – original ou McFake –, de cerveja artesanal… Mas tenho um baita respeito pelo suco verde.

Explico: eu odeio verdura. Gosto de legumes, mas folhas…não descem. Eu tento, eu coloco no prato, e fico ruminando as folhas enquanto olho desolada: por quê? Por quê? Por que não tem gosto de batata frita? Nem a couve da feijoada eu gosto! Por isso, valorizo muito os sucos verdes. São um jeito fácil de eu incluir muito verde no meu dia a dia sem precisar me sentir um animal no pasto.

Recentemente, testei o GGS (já estou íntima) para o café da manhã. Não é tão delicioso quanto um toddynho com um pão quentinho, mas o sabor é bem melhor do que nos faz crer a receita. É gostoso. Não, é bom. Vá lá, é quase bom, é bonzinho… e tranquilo de tomar. Eu iria preferir a receita com mais frutas e sem o aipo, que realmente não gosto. O aipo eu acabei tirando ou colocando menos do que a receita recomenda. E aí você pode adaptar de acordo com o seu gosto. Mas o Glowing Green Smoothie de verdade só com a receita abaixo:

sucoverde_postv2

  • 2 copos de água
  • 6 copos de alface lisa
  • 7 copos de folhas de espinafre
  • 2 colheres de sopa de suco de limão
  • 1 copo e ½ de aipo
  • 1 banana
  • 1 maçã
  • 1 pera
  • ½ copo de coentro (opcional)
  • ½ copo de salsa (opcional)

Bata o espinafre, o alface e a água. Em seguida, adicione o aipo, a maçã, a pera e o coentro e a salsa, caso tenha optado por usá-los. Por último, adicione a banana e o suco de limão. Rende quase dois litros e, segundo Snyder, pode ser armazenado na geladeira por até três dias.

Óleo de coco: aliado ou vilão?

Bem antes de procurar ajuda de uma nutricionista, eu vivia fazendo dietas por conta própria. E isso sempre incluía o tal alimento da moda. Já tive a época da ração humana, da tapioca, da sopa e, claro, do óleo de coco. Tinha lido em alguma dessas revistas de bem-estar e saúde que era para “tomar duas colheres de sopa em jejum por dia” para emagrecer. E isso não fez sentido pra mim: isso é gordura pura, como pode emagrecer? Mas tomei. E entendi. A parada não desceu. E, quando desceu, na marra, quase vomitei. Fácil emagrecer se você vomita e fica enjoada e daí não consegue comer mais nada. Nunca mais tomei.

Em vez disso, passei a substituir óleo na culinária por óleo de coco. Tudo ficou com gosto de cocada: macarrão de cocada, feijão de cocada, arroz de cocada, cocada de cocada. Desisti de vez, e descobri a melhor função do óleo de coco: hidratante de cabelo.

Aí é assim: bezunta o cabelo com óleo de coco do meio pras pontas, prende por uns 20/30 minutos e lava normalmente, com xampu e tal. Além do cabelo ficar uma delícia (nível Kérastase), NÃO FICA CHEIRANDO A COCADA! Um milagre!

Daí que agora a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) se posicionaram sobre o óleo de coco, afirmando que “não há qualquer evidência nem mecanismo fisiológico de que o óleo de coco leve à perda de peso”. Além de não ajudar no emagrecimento, ainda pode fazer mal à saúde “devido à sua elevada concentração de ácidos graxos saturados, como ácido láurico e mirístico”.

“Ah, mais eu li outros tantos estudos que dizem que o óleo de coco faz bem”. Ok, mas não se esqueça: é gordura! E a moderação é a chave pra tudo! 😉

post_oleodecoco

Quase um milkshake de ovomaltine

shake

Em uma das fases da minha dieta, a Cinthia me indicou o Sanafit Shape como opção de lanche. Como era lanche, ela receitou meia porção. Mas foi amor à primeira vista e, na pressa do dia a dia, não é raro eu substituir o jantar por um copo de Sanafit. (ok, essa é a hora em que nutri revira os olhos e pensa: e meu planejamento com refeições completas e “de verdade” que eu fiz? Calma, ainda prefiro o feijão com arroz básico – ou melhor, a salada com grelhados para jantar – mas, vai, na hora da pressa mais vale um copo de shake do que um dogão da esquina).

  • Avaliação: O primeiro sabor que provei foi o Chocolate Suíço. É bom, mas Toddynho ainda é melhor. Mas a segunda embalagem que comprei realmente me surpreendeu: o Cookies and Caramel é uma delícia e, se você bater pouco, fica com pedacinhos de cookie. Com boa vontade, até lembra o milkshake de ovomaltine do Bob’s. Sério. Serião.
  • O que promete: A Sanavita diz que é um alimento completo e balanceado, e que contém o tal do Saciemix, uma mistura de espessantes composto por fibras  que diminui a fome, prolongando a sensação de saciedade. Não mata a fome como um prato de comida, mas engana bem. Então acho que funciona.
  • Preço médio: em torno de R$ 50.
  • Valor energético: em torno de 100 calorias o copo (+ a caloria do leite que você usar, claro)