Pizza de berinjela: opção saudável que cabe na nossa dieta

Um dos segredos da dieta é apostar nas trocas saudáveis. Vide esta pizza de berinjela.Em vez de usar massa, usa-se uma rodela de berinjela. É a mesma coisa? Claro que não. Nunca será. Mas coloca molho de tomate, um queijo light, azeite e orégano e dá para dar uma enganada no cérebro. A pizza de berinjela da foto, que fez parte do meu jantar ontem, levou muçarela light. Porém, se você quiser deixar mais fit ainda, aposte no cottage (é que eu não sou tão fit assim e o cottage que estava na minha geladeira azedou. O universo conspira para minha gordice!). Vamos à receita:

INGREDIENTES

  • 1 berinjela grande e larga. Daquelas que parecem uma garrafa pet de Coca-Cola
  • meia xícara de molho de tomate
  • dois dentes de alho
  • pimenta do reino
  • sal
  • cottage ou muçarela light
  • azeite
  • orégano
  • manjericão (opcional)

MODO DE FAZER

Mãos na massa! Quer dizer, na berinjela-pet. Lave a berinjela e corte rodelas (quantas quiser) não muito finas (vamos fingir que é uma massa pan). Coloque-as numa assadeira. Amasse os alhos e misture ao molho de tomate. Tempere com sal e pimenta do reino a gosto. Coloque o molho de tomate em cima de cada rodela. Cubra com o queijo de sua preferência (cottage ou muçarela). Jogue um pouco de orégano e azeite. Se quiser, pode colocar umas folhas de manjericão. Leve ao forno por 20 minutos (ou até a berinjela estiver macia e o queijo derretido e meio gratinado). Se convença que você está na Pizza Hut e – voilà – aproveite!

berinjela_interna

Cinco dicas para escolher o sorvete sem estragar a dieta

Chegada da primavera, temperaturas começam a subir…e aí decidem que hoje, 23 de setembro, é o Dia Nacional do Sorvete (com letra maiúscula porque sorvete é coisa séria). Mas nem por isso é desculpa pra jacar e acabar com todo planejamento da semana… Separamos aqui cinco dicas para você aproveitar a data, sem brigar com a balança. Confira!

  1. Prefira os picolés de fruta.
    Mas só os sem leite. Isso tira fora de sua lista os de coco. E, não, chocolate não conta como fruta só porque vem do cacau.
  2.  

  3. Os picolés Itália menos calóricos.
    Figurinha fácil no Rio, alguns picolés da marca são um lanche ótimo até para a dieta. Mas engana-se quem acha que o de limão é o menos calórico. Enquanto ele tem 52 calorias, o de abacaxi, nosso campeão, tem apenas 28. Em segundo lugar, vem os de goiaba e de maracujá, com 36 calorias cada.
  4.  

  5. Versão diet não é necessariamente menos calórica.
    Não é só o açúcar que conta como caloria. Muitas vezes, para abolir o açúcar de um produto, é preciso compensar em outros ingredientes. Veja o caso do picolé de chocolate da Itália. Enquanto o normal tem 83 calorias e 13 gramas de carboidrato, o diet tem 89 calorias e 16 gramas de carboidratos. Diet é pra diabéticos, não para dietas para emagrecer!
  6.  

  7. Se for de chocolate, prefira o meio amargo.
    Veja o exemplo da linha Gold da Itália (juro que não estou ganhando nada deles, infelizmente! Mas é que eu realmente adoro a marca e sempre fiquei de olho no rótulo. Além do mais, ele é o único dos que consumo – alô, Cairu e Sorvete Brasil, estão dando mole! – que tem valores nutricionais completos no site!). Bom, mas voltando à dica: uma bola de chocolate belga da Itália tem 212 calorias, enquanto o chocolate 70% e o meio amargo de origem têm 116 cada. Viram a diferença?
  8.  

  9. As vantagens dos sorbets e frozen iogurte.
    Gralmente são menos calóricos e têm muito, mas MUITO menos gordura. Os sorbets ainda costumam ser livres de glúten e lactose.

A Lu Costa, do Par de Ideias, me acompanhou no lanche no Dia do Sorvete

Aprenda a fazer o suco verde das estrelas de Hollywood

Eu já falei aqui da Kimberly Snyder, nutricionista de Hollywood que deve faturar tanto quanto o Tom Cruise em “Missão Impossível”. A Meryl Streep da comida saudável tem até um suco verde com marca registrada. Aham. Isso. Marca registrada. Não, não é um produto industrializado ou vendido prensado a frio. É uma receita específica que você faz em casa e que ganhou um nome e uma marca registrada. Chamado de  Glowing Green Smoothie, ou GGS para os íntimos, o suco detox é uma mistura de verduras e frutas, muito parecido com a maioria dos sucos verdes que vemos por aí. Eu sou fã de sucos verdes. Ok, mentira, eu sou fã de Coca-Cola, de milk-shake de Ovomaltine – original ou McFake –, de cerveja artesanal… Mas tenho um baita respeito pelo suco verde.

Explico: eu odeio verdura. Gosto de legumes, mas folhas…não descem. Eu tento, eu coloco no prato, e fico ruminando as folhas enquanto olho desolada: por quê? Por quê? Por que não tem gosto de batata frita? Nem a couve da feijoada eu gosto! Por isso, valorizo muito os sucos verdes. São um jeito fácil de eu incluir muito verde no meu dia a dia sem precisar me sentir um animal no pasto.

Recentemente, testei o GGS (já estou íntima) para o café da manhã. Não é tão delicioso quanto um toddynho com um pão quentinho, mas o sabor é bem melhor do que nos faz crer a receita. É gostoso. Não, é bom. Vá lá, é quase bom, é bonzinho… e tranquilo de tomar. Eu iria preferir a receita com mais frutas e sem o aipo, que realmente não gosto. O aipo eu acabei tirando ou colocando menos do que a receita recomenda. E aí você pode adaptar de acordo com o seu gosto. Mas o Glowing Green Smoothie de verdade só com a receita abaixo:

sucoverde_postv2

  • 2 copos de água
  • 6 copos de alface lisa
  • 7 copos de folhas de espinafre
  • 2 colheres de sopa de suco de limão
  • 1 copo e ½ de aipo
  • 1 banana
  • 1 maçã
  • 1 pera
  • ½ copo de coentro (opcional)
  • ½ copo de salsa (opcional)

Bata o espinafre, o alface e a água. Em seguida, adicione o aipo, a maçã, a pera e o coentro e a salsa, caso tenha optado por usá-los. Por último, adicione a banana e o suco de limão. Rende quase dois litros e, segundo Snyder, pode ser armazenado na geladeira por até três dias.